Memorial Imigração Judaica

      Vindos de Novokonstantinov, na Ucrânia, Zalman Matone e sua esposa, Libe Bendich Matone, chegaram à Colônia de Quatro Irmãos em dezembro de 1913 com seus cinco filhos. Em Quatro Irmãos, estabeleceram-se nas colônias nº 226 e 226-A, dedicando-se à agricultura e à criação de gado. Apesar das dificuldades, cultivavam o solo e criavam o gado. Em 1923, já possuíam mais de 100 cabeças de gado e alguns cavalos. Durante a Revolução de 1923, os Maragatos invadiram estas colônias e levaram todo o gado e mais pertences.

\r\n

    Em meados de 1924, Bernardo, o filho mais velho do casal Zalman, começou um pequeno negócio no comércio de gêneros alimentícios, porém, no final do mesmo ano a família foi saqueada novamente. Abatidos pelas perdas constantes e temerosos de novos ataques, em meados de 1925, o casal, juntamente com seus filhos, mudou-se para a vila de Quatro Irmãos.

\r\n

hhh

      Em 1926, Bernardo Matone, casou-se com Guitel Iochpe, sobrinha de Gregório Iochpe, que havia chegado a Quatro Irmãos neste mesmo ano, vindo da Bielo-Rússia. Em 1930, o casal foi residir em Viaduto, município de Erechim (RS), onde se dedicaram ao comércio de cereais, gêneros alimentícios e tecidos. O casal passou por outras cidades como Erechim, onde Bernardo foi co-fundador da Sociedade Cultural e Beneficente Israelita de Erechim e Porto Alegre.

\r\n

Para saber mais sobre a história da Família Matone e outros imigrantes, consulte o livro Memórias da Colônia de Quatro Irmãos, de Marcos Feldman, com prefácio de Maria Luiza Tucci Carneiro, Editora Maayanot.

\r\n

 

rodape logos2

© 2017. Memorial da Imigração Judaica. 

vimeo1  face1